sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Exposição "Mundo Giramundo" na Caixa Cultural


Quando eu entrei na galeria 4 da Caixa Cultura onde está a mostra "Mundo Giramundo" eu fiquei me perguntando: como eu não conhecia?

exposição Giramundo na Caixa Cultural

Mas ainda bem que a minha professora de pintura me deu a dica da exposição e eu não perdi tempo. Fui no dia seguinte conferir.

exposição Giramundo na Caixa Cultural

E fiquei enlouquecida!

exposição Giramundo na Caixa Cultural

Completamente fascinada com esse mundo de magia e variedade.

exposição Giramundo na Caixa Cultural

Tem bonecos gigantes!

exposição Giramundo na Caixa Cultural

Tem bailarinas, santos, soldados, índios, mascarados, monstros e princesas. Tem animais pintados. 

exposição Giramundo na Caixa Cultural

Tem o coração do Pinóquio que se achava mais engraçado quando era um boneco.

exposição Giramundo na Caixa Cultural

Tem encantamento!

O Grupo Giramundo é um dos mais importantes grupos brasileiros dedicados ao teatro de bonecos. Foi criado em 1970, pelos artistas plásticos Álvaro Apocalypse, Tereza Veloso e Madu. Ao todo o grupo já montou 34 espetáculos teatrais. Não é pouca coisa, não.

exposição Giramundo na Caixa Cultural

Os bonecos utilizados nos espetáculos são construídos pelos próprios artistas.  O acervo do grupo é tão grande e rico que ficam expostos no Museu Giramundo, em Belo Horizonte, e é a maior coleção privada de marionetes das Américas.

A mostra em cartaz no Rio conta com mais de 130 bonecos desse acervo.

exposição Giramundo na Caixa Cultural

Um ponto bem interessante é que, além de conhecer as marionetes, podemos ver um pouco do  o processo de criação e construção e de como os personagens são feitos, já que estão expostos também alguns croquis, desenhos, estudos, projetos e anatomia de bonecos.  

Outro ponto que eu achei bem legal é que alguns espetáculos do grupo são para o público adulto, inclusive tendo alguns com indicação para maiores de 18 anos. Assim, a exposição é para todas as idades.


exposição Giramundo na Caixa Cultural


Serviço:
Mostra Mundo Giramundo
De 12/7 a 27/8 (não abre às segundas), das 10h às 21h
Caixa Cultural – Av. Almirante Barroso, 25 – Centro (metrô Carioca)
Entrada gratuita
Classificação indicativa: Livre






Você pode me encontrar também

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Exposição "Holocausto: Trevas e Luz" no Museu do Amanhã



Eu adoro passear pelo Rio, aliás, eu adoro passear por praticamente qualquer lugar, amo fazer programas culturais e quando esses programas são feitos na companhia das filhas, aí eu gosto mais ainda. 

Então, quando a Ana Luiza me convidou para irmos juntas conferir a recém inaugurada exposição "Holocausto: Trevas e Luz", no Museu do Amanhã, eu nem pestanejei, topei na hora.


A exposição, apesar de curta, é de arrepiar e de fazer pensar, pensar muito, sobre,sobre a convivência humana, o respeito às diferenças e o que faz alguns se sentirem superiores aos outros.




A mostra "Holocausto: é dividida em três módulos. Assim que entramos no primeiro já ficamos impactados. Entramos em uma sala preta com fotos marcantes e frases de impacto.

Caminhamos pelo espaço observando as fotos, refletindo sobre a tragédia, imaginando a dor e a força daquelas pessoas e, de repente, nos vimos ali entre elas.



Entre as fotos e objetos podemos reconhecer algumas cenas de filmes que falam sobre o nazismo. Em uma das fotos podemos ver a cena da queima de livros que foi retratada no filme "A Menina Que Roubava Livros".

Está exposto um uniforme utilizado em um campo de concentração, cedido pelo Museu Judaico do Rio de Janeiro. A peça pertenceu a Hercz Rosenberg, que veio para o Brasil após a Segunda Guerra. Uniforme este que vimos no filme "O Menino do Pijama Listrado".


Está lá também a estrela amarela, de uso obrigatório para que os judeus pudessem ser identificados pelos militares nazistas, que vimos recentemente no filme "Os Meninos Que Enganavam Nazistas". Esta estrela de David exposta foi utilizada pela prisioneira Helena Klein, que sobreviveu e migrou para o Brasil. 



No segundo segundo módulo, que homenageia os "Justos entre as nações", nome dado àqueles que correram riscos para salvar judeus perseguidos durante a Segunda Guerra Mundial, sentimos um calor bom no coração. É bom saber que sempre tem gente boa e corajosa nesse mundo. 

Esta área da exposição traz uma lista enorme com o nome das 26.513 pessoas que arriscaram a própria vida para protegerem judeus da perseguição nazista. Entre esses muitos nomes, dois são brasileiros: Aracy de Carvalho Guimarães Rosa e Luiz Martins de Souza Dantas. Como eles conseguiram ajudar o judeus? Ambos eram funcionários do Itamaraty. Ela era chefe do setor de passaportes do Consulado do Brasil em Hamburgo e ele, embaixador do Brasil na França. Os dois ignoraram as ordens dadas por Getúlio Vargas para restringir a emissão de vistos a judeus.

O terceiro módulo é bem fofo! Traz trabalhos e redações feitos por alunos de escolas públicas sobre o tema o Museu do Amanhã estimula a reflexão sobre a importância de se lembrar e revisitar o Holocausto, para evitar que se repita. 

Ideia bem legal para fazer com os filhos em casa. Pelas fotos podemos perceber que as crianças assistiram ao filme "O Menino do Pijama Listrado". Mas podemos fazer em casa com qualquer um dos três filmes que citei aqui. 


No nosso caso já estamos cansadas de saber que cerca de 6 milhões de pessoas, a maioria judeus, foram perseguidas e aniquiladas pelos nazistas, liderados por Adolf Hitler. Já aprendemos na escola, já vimos em filme, lemos em livros. Mas sempre vale a pena recapitular esse que foi um dos capítulos mais sombrios da história da humanidade, marcado pela intolerância e pelo preconceito.



Passeamos pela exposição admirados pela a força e pela capacidade de superação dessas pessoas que sobreviveram a esses horrores. Pensamos no quanto é importante conhecer as atrocidade dos atos do passado para que atitudes assim não se repitam.  Ficamos chocados a atrocidade dos atos do passado e no que o ser humano foi capaz. 

E quando estamos chagando ao final, pensando que toda essa violência ficou no passado, somos convidados a refletir sobre as violências que vivemos atualmente e no quanto realmente aprendemos e evoluímos como seres humanos. "Apesar das mudanças e evoluções entre as relações humanas, continuamos, inclusive no Brasil, a repetir tais atitudes.".




Mas podemos "escolher o amanhã que desejamos" e fazer diferente.




Você pode me encontrar também



terça-feira, 15 de agosto de 2017

Fortaleza São João - Forte São José - Turistando no Rio



Não é segredo para ninguém que eu adoro ser turista em qualquer lugar. E para sentir o encantamento com as maravilhas que o mundo tem para oferecer nem sempre precisamos ir longe. Podemos fazer isso na nossa cidade. Podemos fazer isso até repetindo um mesmo ponto turístico ou cantinho especial da cidade já bem conhecido.

Foi com esse encantamento de quem está celebrando a vida, tornando um dia comum em especial, que fui mais uma vez visitar a Fortaleza de São João, Urca. Já fiz o passeio com as filhas pequenas (ai que saudade) e contei no post "Visita à Fortaleza São João".

Dessa vez levei duas amigas cariocas, que apesar de serem da gema, ainda não conheciam essa área da cidade que além de ser um marco histórico, tem uma vista linda.

O que fazer no Rio com crianças

Agendei a visita (sim, a visita precisa ser agendada com alguma antecedência) na torcida para que fôssemos as únicas a escolherem a data e horário. Eu queria exclusividade no passeio.

Chegamos na entrada da fortaleza no horário marcado e aguardamos o soldado guia que nos acompanharia.



No caminho para o primeiro ponto da visita passamos por esta praia pequena e convidativa, mas infelizmente o mergulho não está contemplado na visita. Temos que nos contentar apenas em ver, fotografar e sonhar com o banho de mar.

Passeios imperdíveis no Rio de Janeiro


A primeira parada da visita guiada é no Museu do Desporto do Exército. É um espaço pequeno, mas com algumas curiosidades interessantes.


Museu do Desporto do Exército

Mas por que o museu do desporto do exército está ali dentro da fortaleza? Acontece que a área, além de ser o marco da fundação da cidade, é também um marco da Educação Física no País. Ela abrigou a primeira instituição especializada do Brasil, a Escola de Educação Física do Exército, fundada em 1929. E ainda hoje é um importante complexo educacional e científico na área desportiva, onde treinam atletas das seleções nacionais em diversas modalidades – vôlei, judô, esgrima, atletismo, etc. Inclusive tem uma parte do museu dedica ao Bernardinho que é presença garantida por lá já que ali é o local de treino da seleção de vôlei do estado.

Tem um espaço dedicado ao Rei do Futebol, pois ele foi do exército, coisa que poucos sabem.


Museus do Rio

Outras curiosidades, como a primeira medalha olímpica do Brasil que foi de um um tenente do exército brasileiro, na prova de pistola rápida, em 3 de agosto de 1920. Estão lá a medalha e a pistola, além de outras peças. 

Muitos troféus estão dispostos na área do museu. Dá até para fazer algumas fotos divertidas.

Museus do Rio para visitar com crianças


Mas, para mim, a melhor parte desta visita foi a maquete da Fortaleza de São José, junto com o Frote São João e a explicação sobre como era a Urca (sabia que o Morro Cara de Cão era uma ilha?! Toda aquela pare entre as duas praias é aterro?!), a construção da Fortaleza, e o percurso do nosso passeio mostrado na foto abaixo. Iniciando no ponto 1 - Museu de Desporto do Exército, seguindo para o ponto 2 - Praça da Fundação e percorrendo 1,2 Km até o ponto 3 onde estão o Forte São José e o Museu Histórico do FSJ.

Passeio para fazer no Rio de Janeiro

A Praça da Fundação da Cidade fica em frente a Praia de Fora e tem um visual lindíssimo. 

Praça da Fundação da Cidade

Estácio de Sá desembarcou bem em terras brasileiras. Chegou logo em uma bela praia, entre o Morro Cara de Cão e o Pão de Açúcar. Eu fico só imaginando o deslumbramento que eles tiveram quando viram as belezas desse local.

Praça da Fundação do Rio de Janeiro

Foi bem aqui, nesta praia linda, que teve o início da colonização portuguesa no Rio de Janeiro, no ano de 1565.

Praia de Fora


Estácio de Sá pisou nessa areia branca com a missão de fundar a cidade.

Praia de Fora na Fortaleza São José na Urca

Bom, não vi a cara do Estácio de Sá embasbacado com a beleza local, mas vi a cara das minhas amigas totalmente deslumbradas com a cidade que insiste em ser maravilhosa.

Partimos rumo a nossa trilha em direção ao Forte São José. No caminho passamos pelas ruínas da muralha inicial da fortaleza.

O que fazer no Rio com crianças


E pelo Portão Histórico da Fortaleza.


Como visitar a Fortaleza de São José no Rio

Agora sim começamos a subir o Morro Cara de Cão e já nos deparamos com paisagens como essa. Ótima desculpa para disfarçar a falta de preparo na subidinha e fazer várias paradas. Claro que essas pausa na caminhada não eram para descansar! Eram para fazer muitas fotos e identificar locais, como a Mureta da Urca, por exemplo (marcada com a seta rosa na foto abaixo).

Como visitar a Fortaleza de São José no Rio

Todo o percurso é cercado de muito verde, pois se trata de uma área de preservação ambiental e reflorestamento.


Seguindo em frente o Rio de Janeiro vai ficando as nossas costas e a cidade de Niterói ganha o nosso campo de visão com o Forte da Lage em primeiro plano e a Praia de Icaraí ao fundo.

Nessa parte do caminho agradeci estarmos apenas nós três na visita, assim conseguimos curtir o silêncio e observar os sons da natureza. Devia ter um cardume enorme naquela parte de espuma branca, pois estava cheio de pássaros assanhados sobrevoando a área.

Fortes do Rio para serem visitados

Mais adiante outra pausa para mais encantamento. A Fortaleza de Santa Cruz surge na nossa frente.


A cada passo, o visual que era lindo vai ficando deslumbrante. E já conseguimos ver o nosso destino, o Forte São José que junto com outros três redutos (Reduto São Martinho, Reduto São Diogo e Reduto São Teodósio) -  pequenos fortins também chamados de Baterias - formam a Fortaleza São José.


A construção do Forte São José data de 1578, sendo o terceiro forte mais antigo do país.

Forte São João no Rio

Foi em 1872, que o Forte São José foi reformado e equipado por ordem de D. Pedro II e passou a ter um conjunto de 17 casamatas, construídas em pedras em cantaria. Atravessar esse portão é uma viagem no tempo.


Forte São João

As casamatas com suas janelinhas de paredes grossas e parapeitos todos em granito abrem pontos de vistas sensacionais. De cada uma delas temos um ponto de contemplação diferente.

Como visitar o Forte São José no Rio

Depois de olhar através das casamatas fomos para a parte de cima do forte para ter uma vista mais ampla.

Como visitar o Forte São José no Rio

E pelo visto não éramos os únicos seres que queriam apreciar a entrada da Baía de Guanabara. 


Nesta parte de cima de forte é que está o Museu Histórico da Fortaleza de São João. Para mim ele parece uma caixa de sorvete gigante. 

Museus do Rio

A pequena sala comporta um exposição que mostra desde as condições que propiciaram a descoberta do Brasil pelos portugueses, o cenário por eles aqui encontrado e a colonização, até a vinda da Família Real, a Independência e o século XX. Tudo isso de forma abrangente exposta em painéis.

Um uma das paredes, um grande painel mostra os 9 fortes que protegiam a entrada da barra do Rio de Janeiro.

Museus do Rio


Um convite a um roteiro de visitas. Alguns deles nós já visitamos e tem post aqui no blog. Basta clicar nos links abaixo:

- Ilha e Forte da Lage - não pode ser visitado;
- Forte Barão do Rio Branco;
- Forte São Luis;
- Forte do Pico;
- Forte do Imbuhy.

Já estou com uma vontade louca de visitar os outros quatro fortes que ainda não conheço.

Daí, do museu, pegamos o caminho de volta e o que foi desci se tornou subida e vice-versa, mas voltar revendo o visual, deixando a Fortaleza de Santa Cruz e Niterói para trás enquanto o Cristo Redentor conquistava o nosso olhar, é recompensador o suficiente. E no final, já que não é possível dar um mergulho na praia, podemos ao menos nos sentar na Mureta da Urca, comer um pastel e tomar uma bebida gelada. Cerveja para quem é de cerveja, refri para quem é de refri, suco para quem é de suco.



Serviço:
A visita à Fortaleza São João é gratuita e realizada através de agendamento prévio por:
- telefone: 2586-2291 ou
- e-mail: sitiohistorico.fsj@gmail.com
São dois horários por dia:
- de terça a domingo
- manhã: 9h / tarde: 13h30
Endereço
- Av. João Luiz Alves, s/nº - Urca






Você pode me encontrar também

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Festa Brasileira: Fantasia Feita à Mão - Exposição no CRAB

Desde que a exposição "Festa Brasileira: Fantasia Feita à Mão" foi inaugurada em 21 de junho que eu estava com vontade de fazer a visita ao CRAB.  As exposições que acontecem neste espaço voltado ao artesanato são sempre alegres, coloridas e mostram parte interessante da nossa cultura.

Finalmente consegui conferir a exposição que é pura celebração. 


A mostra, que reúne fantasias de diferentes festas que acontecem por todo o Brasil, ocupa todo o primeiro andar do Centro de Referência do Artesanato Brasileiro e exibe peças feitas por artesãos de todo o Brasil especialmente para as celebrações populares. Os festejos mais variados estão lá representados.

Na chegada, somos convidados a escolher uma máscara e vestir o clima da exposição. Logo em seguida somos recebidos por estandartes pendurados no teto com saudações oriundas de blocos, romarias e desfiles. 

Já vemos o Carnaval, uma das nossas festas mais populares, ali representado. 


A Sala dos Espelhos, a primeira da exposição, impacta com a montagem em projeções, espelhos e fotos de foliões de rua feitas no subúrbio do Rio. 

Em seguida, entramos na Sala Festa Feita à Mão. Um corredor longo com uma vitrine repleta de esculturas feitas em material diverso, como barro, madeira, papel, fibra e tecido, e representam cortejos de diversas regiões, desde Dança do Pau-de-Fita (ou Trança), em Santa Catarina, até o Reisado, no Ceará. Um encanto!


Nesta vitrine estão cinco raros conjuntos produzidos por Mestre Vitalino (1909-1963), de Alto do Moura/Caruaru, em Pernambuco. Entre eles, o "Casamento a Cavalo".


Deixando os bonequinhos fofos para trás entramos na Sala Máscaras da Fantasia 1. Sala com fantasias suntuosas e riquíssimas nos detalhes, como o Bumba Meu Boi.


Máscaras impressionantes e divertidas.


Fantasias ricas em detalhes que encantam e divertem. Se olharmos bem, podemos nos ver dentro da festa.


Quando a gente pensa que já viu muita cor, entramos no núcleo central da exposição que é a Sala Máscaras da Fantasia 2. Ali nos deparamos com "algumas indumentárias que para se tornarem completas integram-se às máscaras, instrumentos musicais ou estandartes para que possam cumprir seu verdadeiro papel.".

Me diga se não dá vontade de vestir esse Bate-Bola, tradicional do Carnaval do subúrbio do Rio de Janeiro, e entrarmos na festa?!


No centro da sala os Homens de Lata, do Carnaval da Ilha de Madre de Deus, no Recôncavo Baiano, chamam a atenção. Eles usam máscara de tecido e indumentária feitas de latas recicladas de diferentes bebidas. Esta roupa funciona como uma espécie de máscara-sonora, que se mistura com os outros sons da festa durante o desfile. Imagina que loucura! Vou dizer uma coisa: eu de Mulher de Lata ia chacoalhar muito.


Eu fiquei especialmente maravilhada com esta máscara e chapéu do Cazumbá, personagem do Bumba-Boi.


Totalmente encantada com a riqueza dos detalhes, a diversidade dos trajes, e a quantidade de festas regionais que temos no nosso país, cheguei à Sala Batucada Digital. Afinal, as festas não são reconhecidas apenas por suas máscaras e indumentárias. O som e a música também dão identidade a cada uma delas.

Nesta sala estão expostos, pendurados ao teto, diversos instrumentos de percussão. Eu particularmente fiquei impressionada com os detalhes e variedade dos chocalhos.


Nesta sala somos convidados a fazer a nossa própria batucada. Tem uma mesa enorme e formato semicircular com instrumentos digitais para que o visitante toque e faça o seu som.


A última sala, "Entre na Festa!", é um convite a cair na folia. Nesta sala interativa, podemos montar uma fantasia e fazer uma foto tendo como cenários uma das 100 imagens com cenas do Carnaval de 2017, feitas especialmente para a exposição, pelos fotógrafos AF Rodrigues, Elisangela Leite, Fabio Caffé, Luiz Baltar e Monara Barreto, do coletivo Folia de Imagens.



As 100 fotos, estão expostas e numeradas, o visitante escolhe a que deseja, clica no número, e se posiciona para sua selfie ou fazer a foto pela própria exposição e recebê-la por e-mail.

Posso dizer que me diverti muito nesta parte da exposição.


E não me contentei com apenas uma fantasia. Quis fazer várias.


Bom, para finalizar, a exposição é divertida, colorida, linda, um encanto, um andar inteiro de magia. O CRAB Sebrae é um espaço novo aqui no Rio, bem amplo, organizado e normalmente vazio. Vale a pena o passeio, principalmente se complementá-lo com uma voltinha pela Feira do Lavradio.

Serviço:
"Festa Brasileira: Fantasia Feita à Mão"
21 de Junho a 28 de Outubro, 2017
CRAB Sebrae, Praça Tiradentes, 69, Centro, Rio de Janeiro
Terça a Sábado, de 10h às 17h, entrada franca.




Você pode me encontrar também
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It button on image hover
▲ Topo