quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Rock in Rio 2015 - Nós fomos!

Mais um Rock in Rio e eu fui! Dessa vez foi graças à Sofia que pediu, insistiu, implorou e me fez, em cima da hora, conseguir os convites. 


A maternidade tem dessas coisas de me tirar da zona de conforto, me impulsionar pra frente, de me estimular a fazer coisas que eu não faria, e evitar que eu me arrependa por não ter feito algo.

Aconteceu com esse Rock in Rio. Por mais que eu goste, ache que vale a pena ir, que é um evento imperdível, e coisa e tal, eu estava acomodada, no conforto do meu sofá, achando muito bom assistir pela TV.

Ainda bem que a Sofia quis ir e, como para fazer filha feliz eu faço qualquer coisa, eu fui! Graças a Sofia eu pude sentir mais uma vez a emoção de estar chegando à cidade do rock. O coração pulsa, a pela arrepia com a simples lembrança da abertura dos portões da primeira edição do festival. É incrível! Só em ver as roletas de entrada eu revivo aquela corrida no gramado para chegar mais perto do palco.


Hoje está tudo muito mais organizado, mais estruturado, cheio de atrativos. Chegamos com sol quente no último dia dessa sexta edição.

Logo na entrada a hashtag #rockinrio refrescava e animava o público.


A Sofia foi logo se divertir. O difícil era fazer uma foto legal.


Só em chegar perto do Palco Mundo já dá para sentir uma energia, uma vibração boa no ar. Melhor ainda é mostrar isso para a filhota.

Enquanto esperávamos a abertura dos shows principais da noite, assistimos algumas bandas no Palco Sunset e algumas performances no Palco Street Dance.

A Sofia, na sua estreia no Rock in Rio, queria mais, queria aproveitar tudo, e claro, quis ir a pelo menos um dos brinquedos. Taí outra coisa que a mãe aqui não faria: gastar tempo na fila para ir aos brinquedos. Mas para fazer a filha feliz eu mudo alguns conceitos.


E mais uma vez, ainda bem que eu fui. Sério, até um passeio de montanha russa é mais emocionante no Rock in Rio. Naquele momento em que o carrinho está lá no alto, prestes a despencar, o frio na barriga é mais intenso com a vista panorâmica daquela estrutura gigantesca, das luzes brilhando, do colorido e do público.

Voltamos para o Palco Mundo, agora para esperar os shows que já iriam começar.


A noite prometia muita música, muita emoção e até um eclipse no céu. A lua surgiu enorme, amarela, linda!


Fogos e música de abertura! Arrepio na alma! Cidade negra invadiu o palco e agitou. Cantamos, dançamos, vibramos.

A chuva inesperada chegou e a mãe aqui não estava preparada. Acredita que não levei capa? Gente, mesmo que a previsão seja de 0% de chuva, se você vai a um evento desse porte com criança, tem que levar capa e outra muda de roupa. Tá certo que já passei dessa fase de levar outra muda de roupa há algum tempo, mas era hora de relembrar, né?

Assim que começou a pingar uma gota aqui e outra ali, eu vi um funcionário trocando o lixo e pedi um saco. Ensaquei as crianças e aí tive tranquilidade para aguardar o primeiro ambulante vendendo. É claro que eles iriam aparecer, mesmo a estrutura não permitindo vendas não oficiais.               


Choveu e choveu muito. Chuva para lavar a alma. Nada de reclamar, o jeito foi tirar proveito da situação e tornar a estreia da Sofia em festivais de música mais emocionante.

A parada dura foi que a chuva forte despencou do céu justamente na hora do show menos empolgante da noite, AlunaGeorge.

Quando o A-Ha entrou no palco eu já nem sentia mais a chuva que parou definitivamente durante o show. Bateu nostalgia! Voltei aos anos 80, relembrei o show na Apoteose e quase fiquei "Crying in the Rain" ao ver a filhota dançando e piscando a luz do celular para a banda que eu fui fã.


Para fechar a noite e superar as expectativas da minha pequena, a Kate Perry entrou no palco, linda, vibrante, fazendo um espetáculo visual de tirar o chapéu mesmo de quem não é fã. As músicas são dançantes e faz o público cantar junto, dançar e soltar gritinhos. A troca de figurino, os cenários, os bailarinos fantasiados, as nuvens de fumaça fizerm a Sofia ir ao delírio, assim como aconteceu com a Ana Luiza na sua estreia no Rock in Rio em 2011.

Voltamos para casa felizes! E eu grata por ter experimentado mais essa emoção. Grata pela maternidade que me estimula, me tira da zona de conforto, me mantém viva e vibrante.


segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Findi 39 de 2015 - Comer, Amar e RIR



O final de semana rendeu. Consegui fazer bastante coisa legal e produtiva. Coisinhas me fazem relaxar, descansar e me renovar.

Mas como assim fazer tantas coisas significa descansar? As pessoas me perguntam como eu consigo fazer tanta coisa e, pensando sobre isso, eu me dei conta de que o meu descanso é fazer coisas diferentes.

Como assim? Eu descanso de um dia de trabalho fazendo uma comida diferente, descanso de cozinhar vendo um filme, e por aí vai. Tá certo que algumas vezes o meu descanso é fazer nada, mas até fazer nada é fazer algo, né?

Para descansar de uma semana de trabalho eu participei do workshop funcional com a Nanda Carneiro, da marca Leve-Me. Foi literalmente uma delícia! Ou melhor, várias delícias: cookie de brigadeiro de Nutella, Torta Tiramussu, Torta Mousse e minichurros com doce de leite.


Após levar a Sofia ao teatro e estudar com ela, descansei fazendo um almoço vietnamita para a família. Preparei rolinhos primavera à moda do Vietnã. Receita que eu publiquei no post "Spring Roll Vietnamita" e aprendi com a nutri Carol Morais, conforme contei no post.


Brinquei com a Sofia, cuidamos dos nossos bichinhos amados, fui às compras com a Ana Luiza. Pequenas coisas feitas com muito amor. E descansei, após tanto "trabalho" lendo algumas crônicas.


O meu planejamento para o domingo era de descanso passeando na Casa Cor e no Outeiro da Glória. De repente tudo mudou, conseguimos ingressos para o Rock In Rio. E lá fomos nós!

Mas antes de encarar a maratona que viria pela frente descansamos vendo o filme "Canela", um filme mexicano, lindo, delicioso, encantador, calmo, relaxante. A história de uma menina que ama cozinhar e vive com a avó, uma grande cozinheira, que se vê confrontada pelos modismos da culinária moderna e a ditadura do light, é ótimo para ver com crianças a partir dos 8-10 anos.



Depois RIR!



O descanso do final de semana foi no estilo comer, amar e RIR. Coisas que fazem bem para o corpo e para a alma.

Este post faz parte da BC Coisinhas de Findi proposta pela Camila do Blog CasaMila.

domingo, 27 de setembro de 2015

Spring Roll Vietnamita


Na semana passada eu fiz uma aula de culinária vietnamita com a nutricionista Carol Morais. Ela tem um programa para quem quer "viajar além" chamado #mexerpanelaconhecergente (vale a pena entrar no site para saber mais: "Mexer Panela e Conhecer Gente"). Viajar e cozinhar, tudo o que eu adoro! Então, imaginem só como eu tenho vontade de embarcar nessa.

Eu não pude ir à trip gastronômica para o Vietnã, mas pude viajar nas viagens dela e saborear três pratos da culinária vietnamita. Entre eles o rolinho vietnamita.

Enquanto eu estava na aula aprendendo como fazê-los, fiquei imaginando que a Sofia ia gostar dessa "brincadeira de comidinha". É claro que já fizemos o nosso almoço vietnamita por aqui.



Segui a receita passada na aula com pouquíssimas alterações. (Conhecer a receita não invalida a oportunidade de fazer a aula, caso tenha outra turma. A Carol passa muito mais informação interessante do que simplesmente a receita.).

O que utilizamos:

- 1/2 bandeja de cogumelos shitake; *
- 1/2 bandeja de cogumelos shimeji; *
- 300 g de camarão cinza limpo;
- 2 colheres de sopa de molho de peixe; **
- 1 colher de sopa de óleo;
- 1 cebola roxa;
- 1 pé de alface crespa;
- 1 molho de coentro;
- 1 molho de manjericão;
- 1 molho de hortelã;
- 1 molho de cebolinha francesa (eu não usei aqui em casa);
- 1 pacote de papel de arroz para os rolinhos.

*   A receita usada na aula indica 1 bandeja de cogumelos Paris ou Shitake.
** A receita usada na aula indica molho de ostra, mas eu não quis comprar os dois já que o molho de peixe seria utilizado no molho.

Para o molho:

- 2 colheres de sopa de suco de limão (aqui em casa utilizamos o limão siciliano);
- 2 colheres de sopa de molho de peixe;
- 1 colher de sopa de açúcar (usamos o Demerara);
- 1/2 pimenta dedo de moça bem picada sem sementes; *
- 1 dente de alho picado.

* A receita original sugeria 1 pimenta. Como não estamos muito acostumados com pimenta, utilizamos 1/2 e ainda acrescentamos duas colheres de sopa de água ao molho.

Como fizemos:

Cortamos a cebola e o os cogumelos em fatias.
Temperamos os cogumelos com 1/2 cebola e uma colher de sopa de molho de peixe, e reservamos.
Temperamos o camarão com 1/2 cebola e uma colher de sopa de molho de peixe e reservamos.
Lavamos as ervas e as folhas de alface e reservamos.
Preparamos o molho misturando todos os ingredientes.
Refogamos os cogumelos em uma frigideira até ficarem macios e reservamos.
Na mesma frigideira nós refogamos os camarões.
Colocamos água morna em uma tigela e arrumamos os ingredientes prontos em potinhos.


Nos sentamos à nossa mesa preparada e começamos a fazer os nossos rolinhos.

Pegamos uma folha de arroz e mergulhamos rapidamente na água morna para amolecer.



Escorremos rapidamente e apoiamos em uma tábua sem soltar a ponta. Recheamos com alface, cogumelos e/ou camarões, e as ervas, cobrindo até a metade do papel de arroz.

receita de rolinho primavera do vietnã

Enrolamos fazendo rolinhos.

receita de rolinho primavera do vietnã

Dobramos as pontinhas e continuamos enrolando até fechar os rolinhos.

receita de rolinho primavera do vietnã

Comemos molhando no molho agridoce.

receita de rolinho primavera do vietnã

Uma explosão de sabores!

receita de rolinho primavera do vietnã

Muito bom!

Eu fiz essa aula da Carol Morais e da Fabiana Figueiredo, que foi no grupo da viagem, no Ateliê das Ideias. Foi ótima! Alegre, divertida, animada, cheia de curiosidades e informações, como um jantar entre amigos. Olha a turma com as carinhas felizes depois de tanto sabor.


sábado, 26 de setembro de 2015

A Semana 85 - Vivere la Vita - #CurtiCompartilhei


Eu ouço muita gente comentando dos seus dias assim: "não fiz nada. Só trabalho e casa.". Mas trabalho e casa é muita coisa! São ambientes que nos proporcionam os momentos da nossa vida. Temos que saboreá-los. Precisamos e podemos nos encantar com as pequenas grandes oportunidades que esses lugares nos oferecem.

As minhas semanas são praticamente casa x trabalho, mas eu procuro incluir algumas variedades no caminho, como:

Combinar um almoço com as amigas. Nesse dia o nosso papo foi intenso, com muitos desabafos e poucas risadas, mas a amizade e os cabelos ao vento fizeram a minha alma gargalhar.


Encontrar a minha irmã, desviar o caminho e passar naquele lugar que eu queria conhecer: a Nova Praça Mauá. Tive a minha meia hora de férias na minha semana que me renovou.


Fazer um curso de culinária vietnamita. Sim, isso mesmo, culinária vietnamita. Mais uma vez me senti viajando em plena semana de trabalho intenso. Voltei para casa cheia de novidade e de histórias para contar. Aprender algo diferente faz eu me sentir mais interessante.


Mudar o rumo. Ao invés de seguir o meu caminho pela calçada, atravessei a Biblioteca Parque. Não, eu não ia na Biblioteca Parque, mas porque não passar por ela e absorver algo novo? Nesse pequeno desvio eu dei uma espiada na exposição "Mafalda na Sopa".


Mudar o foco e, mesmo em uma grande chatice, encontrar algo bom. Esse é o grande desafio. Esse foi o meu desafio da semana: superar o medo e relaxar. Contei no post "Do ponto de vista do canal".


Sentir paz. Fiz mais um desvio no meu percurso e visitei o Mosteiro de São Bento. Fiquei ali por 10 minutinhos contemplando a beleza e os detalhes, sentindo a paz e a tranquilidade do local. Só isso!





Sentir-se merecedora. Comemorar simplesmente por comemorar e experimentar uma nova combinação. E ainda aproveitar para incluir o prato escolhido no almoço no cardápio da semana em casa.


Divertir-se enquanto as crianças se divertem.


Às vezes ficamos esperando termos disponibilidade de tempo para fazer certas coisas. Não precisamos de longas horas para nos encontrar com amigos. Não precisamos de grandes eventos para conhecer um lugar novo. Não precisamos do horário da missa para sentir paz. Podemos saborear grandes momentos em pequenas porções.

Nessa semana eu #CurtiCompartilhei a publicação "Vivere la Vita" do IG @carolmoraisnut e foi ele quem me inspirou a saborear os meus pequenos grandes prazeres.


sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Do Ponto de Vista do Canal


Nesta semana eu tive que ir ao dentista para fazer um canal. Quem me conhece sabe o horror que eu tenho de dentista. Imagina ir ao dentista para fazer o quê? Um canal! Então o meu sofrimento começou no início da semana antecipando mentalmente todo o meu medo. Gente, vocês não fazem ideia das cenas que a minha imaginação cria com o tema dentista. Penso naquele motor infernal vazando o meu dente, chegando ao osso, atravessando a mandíbula. Nunca senti dor de dente, mas tenho certeza que é uma dor fina, aguda, intensa, latejante e torturante. Diante dessa necessidade de fazer um canal isso mesmo um ca-nal, eu nunca me arrependi tanto de todos os açúcares que ingeri até então.

Na véspera da minha consulta, estava eu conversando com a Sofia e falei assim... muito naturalmente (o autocontrole de mãe para não traumatizar os filhos é surpreendente) que iria ao dentista fazer um canal. A Sofia que, nos seus dez anos, tudo o que conhece sobre dentista é sala colorida com livros e brinquedos, jalecos brancos com barra fofinha combinando com a toca, escovas coloridas, aplicação de flúor e ajuste de aparelho, não entendeu por que a mãe doida iria fazer um canal no dentista. E a mãe tensa com a situação do dia seguinte não entendeu porque a filha não entendeu. Entenderam? E aí rolou alguns minutos de papo de doido:

- Mãe por que você vai ao dentista pra fazer um canal? Ouçam aqui aquela entonação de como assim? Dããã
- Ué porque é no dentista que se faz canal!
- Mãe, canal a gente faz em casa.
- Não filha. Vacina a gente até toma em casa porque a enfermeira pode vir aqui, mas o dentista não atende em casa.

Depois de alguns minutos de conversa desconexa finalmente nos entendemos e caímos na risada. Canal para a Sofia é óbvio que é canal de Youtube. Para mim é óbvio que canal é de dente. Por isso que eu sempre digo que o óbvio tem que ser dito. Como a prática de dizer o óbvio melhoraria as questões de comunicação que temos na vida...

Bom, deixa eu parar de filosofar e voltar a questão do canal.

Chegou o tal dia do canal. Eu tentei arrumar mil e um motivos para cancelar a consulta, mas encarei a minha realidade e lá fui eu. Cheguei ao consultório achando que teria um piripaque. Sentei, falei do meu medo para a dentista, expliquei que a anestesia em mim demora a pegar e passa rápido. Não sei que mistério é esse, mas isso rola, mesmo os dentistas não acreditando. Ela já começou com três anestesias, deu o tempo e quis começar. Eu avisei que a língua estava formigando, mas não dormente ainda. Mesmo assim ela insistiu tranquilamente, falou que iria só tirar o curativo bem devagar, que não iria doer, mas se eu sentisse algo era só avisar. Eu com pescoço duro, olhos esbugalhados, mãos trincadas na cadeira, abri a boca a contragosto. O motor começou e alguns segundos depois eu levantei os dois braços, as duas pernas e solto um ãããããã. A moça para tudo e pergunta:

- Doeu muito?
- Doeu pouco, mas esse é o início para doer muito.

Sério! Acha mesmo que eu vou esperar doer muito para ter chilique?

Bom, mais duas anestesias e retomamos o procedimento. Dessa vez totalmente anestesiada fisicamente, mas supersensível emocionalmente. Eu totalmente travada na cadeira, pescoço duro, ombros doendo, pensando que seria um grande negócio ter uma cadeira de Shiatsu na saída do consultorio dos dentistas (fisioterapeutas, vejam a dica), olhos arregalados fixos nos óculos da dentista e vendo a batalha na minha cavidade bucal em lente de aumento.

Nos momentos de pânico, a mente sempre tem lampejos de sanidade e são nesses flashes que a gente tem que se agarrar com todas as forças. E foi entre a visualização imaginária de sangue escorrendo e motor descontrolado furando o céu da boca que a minha mente se acalmou por instantes e pensou: você não está sentindo dor, está apenas aumentando o seu sofrimento, aliás, está criando um sofrimento que não existe. Muda o foco!

E foi o que eu fiz. Mudei o foco, tirei os olhos dos óculos da dentista e olhei para frente. E vejam o que eu ainda não tinha visto!



Isso tudo para dizer que, na maioria das vezes, mesmo as maiores chatices têm o seu lado bom. Basta a gente mudar o ponto de vista para ver o lado bom da vida.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Nova Praça Mauá - #CidadeOlimpica


Depois de quatro anos em obras, a Praça Mauá, no Centro do Rio, foi reinaugurada neste mês de setembro. Eu não pude ir ao evento de inauguração, mas estava supercuriosa para ver o resultado desta revitalização que faz parte do projeto Porto Maravilha.  

Nessa semana eu aproveitei para matar a minha curiosidade e gostei bastante do que vi. Gente, não tem nem comparação com a área degradada que era antes. Nossa, não dava nem para pensar em ir por lá com as crianças. Agora, a Praça Mauá, se tornou um espaço para passeio e diversão.

De um lado o Museu do Amanhã tomando forma imponente e gerando muita expectativa.  (Vista da cobertura do MAR. Entrando nos posts MAR - Museu de Art do Rio e Um MAR de exposições dá para ver a vista da praça com as obras. Nossa... como ficou muito melhor agora!).

nova praça mauá  museu do amanhã

Do outro lado o MAR - Museu de Arte do Rio, que já funciona há algum tempo e é uma ótima opção de passeio com ou sem crianças, ganhou mais visibilidade. Agora sim, conseguimos apreciar direito o tão premiado projeto arquitetônico do MAR.

nova praça mauá MAR

A nova Praça Mauá, que ainda não está completamente pronta, ganhou mais amplitude permitindo que construções antigas, como o portão de entrada do Pier Mauá, tenham mais visibilidade. Pena que eu não fiz uma foto dele. Mas na foto de Carla Lencastre, do blog Direto do Rio, que eu obtive no post "Contagem Regressiva", podemos ter noção de como ficou o campo de visão. Dá para ver desde o portão de entrada do Pier Mauá, passar a vista pelo MAR e ainda ver as casas do Morro da Conceição.


Aliás, é ali ao lado do portão do Pier Mauá que estão quatro Food Trucks. Apesar de eu ter escolhido almoçar no Mauá, restaurante na cobertura do MAR, fiquei com muita vontade de experimentar um deles. Fica pra próxima!

Food Trucks na Praça Mauá


A hashtag #CidadeOlimpica está sendo uma atração à parte na nova Praça Mauá.

nova praça mauá

As letras gigantes e coloridas estão atraindo a atenção de quem passeia por lá.

nova praça mauá

Eu escolhi a letra do meu nome para dar uma relaxada. Até senti falta de estar com um livro na bolsa.

nova praça mauá letras da hashtag #cidadeolimpica

Eu voltarei lá com as minhas filhas. Tenho certeza de que as crianças vão adorar essas letras.

nova praça mauá hashtag #cidadeolimpica

Eu achei que a área ficou realmente muito linda, as áreas floridas dão o ar da graça, mas de qualquer forma senti falta de mais árvores. Tá certo que a maioria delas acabou de ser plantada e precisamos esperá-las crescerem. Mas vi muito cimento por ali. Achei que podia ter mais placas de grama em meio às placas de granito que formam o piso da praça. 
As poucas sombras estão sendo disputadas pela galera. Vai dizer que não é uma delícia ficar sentado no gramado, à sombra, curtindo esse visual e pensando no amanhã...

nova praça mauá - Museu do Amanhã

Vale a pena ver os posts e as fotos da Carla Lencastre no blog Direto do Rio:



quarta-feira, 23 de setembro de 2015

No clima da primavera - Dicas e mais dicas

No mês de setembro de 2012 eu estive no blog Vida de Mãe, da Nestlé, com dicas para curtir a primavera com a criançada, desfrutar o que essa estação repleta de cores, cheiros, sons e sabores tem a nos oferecer.  Em 2013 eu fiz uma edição do mesmo post no Recanto das Mamães Blogueiras.
Como as oportunidades e dicas para a gente aproveitar esta que é a flor das estações, a época do ano mais inspiradora são muitas, eu resolvi dar uma atualizada e postar novamente.


- Passear pelos parques, jardins, praças, hortos e floriculturas. Essa é uma ótima época para descobrirmos novos cantos cheios de encantos na nossa cidade. 

  • Aqui no Rio, por exemplo, é na primavera que podemos observar as Flores de Jade no sítio Burle Marx

Foto obtida AQUI na internet.





- Caminhar pelo bairro observando os jardins e canteiros. Uma ótima maneira para a criança explorar o próprio bairro e perceber a beleza trazida pela primavera é deixar que ela fotografe as flores que encontrar pelo caminho. Se bem que do jeito que andam as coisas aqui pelo Rio, estou achando melhor deixar as fotografias para lugares mais fechados.
É legal também chamar a atenção para a presença dos pássaros e borboletas, é incrível como esses passeios podem nos surpreender.
Conforme já contei no post do Projeto 10 on 10, foi na primavera que mudamos de opinião sobre o bairro em que moramos e deixamos de ver apenas sujeira e ruas esboracadas e passamos a ver flores e beleza. E olha quanta beleza!





- Fazer uma seleção de livros que abordem o tema primavera para serem lidos nesse período. Deixo aqui algumas dicas:

• A Primavera da Lagarta – Ruth Rocha – Editora Salamandra;
Romeu e Julieta – Ruth Rocha – Editora Salamandra;
Festival da Primavera – Braguinha – Editora Rocco;
Viveiro de Pássaros – Braguinha – Editora Rocco;
• As Flores da Primavera – Ziraldo – Editora Melhoramentos;
• Lagarta na Primavera – Readers Digest – Editora Saraiva.

Uma atividade que gostamos muito é aproveitar a leitura para fazer reciclagem, desenho,reconto ou culinária com o tema da leitura. Que tal essas minhocas ou lagartas de caixa de ovo?



- Fazer uma sessão de cinema em casa
Com as crianças as dicas são: 
  •  Bee Movie – A história de uma abelha,
  •  Bug's Life - Vida de Inseto,
  • Jardim Secreto
Para quem tem filhos adolescentes os filmes que falam de recomeço são boas dicas, como:
  •  Mesmo Se Nada Der Certo (Begin Again – 2013), 
  • Simplesmente Acontece (Love Rosie – 2014), 
  • O Primeiro Amor (Flipped – 2010), 
  • Sob o Sol da Toscana. 

- Culinária Divertida. Usar e abusar da criatividade para fazer lanches divertidos com temas de flores, insetos e animais. Como essas saladas floridas feitas com legumes e frutas (no post Jantar Florido tem mais detalhes):


Flores de Frutas. Neste post AQUI tem várias dicas como essa flor de maçã.



Um café da manhã com tema de flores é uma boa dica para começar o dia com emergia, alegria e criatividade. No post Café da Manhã Divertido temos várias sugestões.



Risotos também podem receber um toque de cor, sabor e cheiros típicos da primavera e eu tenho dica de duas receitas muito boas: Risoto de Primavera Cheiros da Horta e o Risoto de Morango com Espumante.



- Fazer jardinagem. A primavera é uma excelente época para plantar e as crianças amam brincar com areia. Que tal separar alguns vasinhos, terra e sementes. Os vasinhos podem ser comprados ou reciclados com latas e garrafas Pet, e as sementes podem ser os caroços das frutas que as crianças comem. A brincadeira ainda vai estimular a garotada a comer frutas.



- Usar e abusar da reciclagem, tanto para a jardinagem quanto para outros fins. Vou deixar aqui algumas dicas para inspirar, é só clicar nos links para ver os detalhes nos posts:

Marcador de página de feltro


Marcador de página de palito de picolé


- Organizar um piquenique. Piqueniques são muito bem vindos nessa época do ano. Que tal aproveitar os parques da cidade e se esbaldar?! Nós já fizemos o nosso primeiro piquenique nesse mês de Setembro. Foi no Parque Guinle, um lugar ótimo para essa atividade.



É só soltar a imaginação e aproveitar essa estação!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It button on image hover
▲ Topo